04/03/2013 Comentário (0) corrida, corrida de montanha, review de equipamentos, saúde

Sebo nas canelas

8526627026_887cd4ede7_z

Estava lendo uma matéria sobre barefoot (corrida descalço) e resolvi escrever sobre duas coisas: primeiro, a minha experiência frustrada com a modalidade e segundo, como uma escolha leva à outra.

Peguei emprestado o livro Nascidos para Correr, de Christopher McDougall, e fiz o que todo mundo faz ao terminar a leitura, encomendei um Vibram Five Fingers a um amigo que foi passar férias no exterior. Na época, o VFF, no Brasil, era produto exclusivo de uma famosa loja de esportes, logo, o preço era bem salgado. Depois de ler bastante a respeito do tênis, comecei a treinar. No início é importante ter muito cuidado, os primeiros trotes não ultrapassavam 500 metros, já que correndo descalço você usa músculos que nunca soube que existiam, além de usar muita panturrilha.

Obviamente eu intercalava os treinos. Para os de médias distâncias, usava tênis convencional e para os de curtíssimas ia com o Five Fingers, mas quanto mais eu corria com ele, mais eu tinha canelite quando usava o tênis convencional. Meu processo de adaptação foi evoluindo bem, inclusive me lembro que cheguei a treinar 5 km no entorno da Lagoa da Pampulha; o que fez com que minhas panturrilhas queimassem por três dias seguidos!

Naquela ocasião, minha meta de corrida era a Meia Maratona da Linha Verde, com certeza a “Meia” mais dura que temos aqui pelas Alterosas. Mas com a prova se aproximando, fui obrigado a colocar o VFF de férias para não sofrer com a canelite durante os outros treinos.

Desde então, o Vibram ficou meio de lado, e sentindo a necessidade de ter um calçado minimalista, menos radical, adquiri um Nike Free. Uma semana depois comprei outro do mesmo modelo, e desde então são meus tênis de uso diário. O laranja é o que eu mais uso, faço treinos mistos com ele tranquilamente, desde que eu me permita descer completamente desgovernado em algumas trilhas de cascalho fino. O outro fica reservado para treinos mais curtos em asfalto e para provas.

Esse costume de correr com menos amortecimento me fez deixar de lado também o Salomon XAPro3D, reservado apenas para grandes treinos, por causa de seu solado muito duro, o que, por um lado, auxilia na prevenção de torções, mas por outro, me incomoda um pouco.

Nas trilhas tenho usado mais o Lafuma SkyRace, que tem praticamente a mesma estrutura e amarração do Salomon, porém é um pouco mais leve e tem o solado Vibram bem mais maleável. Participei do Endurance XTerra com ele, e foi muito tranquilo.

Outro dia vi umas fotos minhas em que eu estava correndo, e analisando minhas passadas tive vontade de voltar a usar o Vibram Five Fingers, para reeducar minha postura e meu ritmo. Nesse ponto ele é imbatível.

O Ironman eu comprei há muito tempo, foi meu segundo tênis de corrida. A sapatilha eu coloquei na foto só de brincadeira. Eu “comia” uma Shimano por ano, então comprei a Specialized há quatro anos e estou certo de que ela ainda vai durar pelo mais uns dois anos. É isso. Isso tudo!

Zé Álvaro
Atleta Radicore e colaborador
 

XTerra Pedra Azul

Confira Christopher McDougall: nós nascemos para correr?