31/10/2017 Comentário (0) cicloviagem, mapas, mosaico, mtb

BH ao Serro 235km Non-Stop Solo

DCIM100GOPRO

Resumindo. Saí debaixo de chuva, sábado às 9h30, na Linha Verde quebra um raio da roda e fura o pneu em dois lugares, consegui uma oficina em Lagoa Santa, reparei a roda, segui pro Cipó com a logística de apoio ao pé da estrada, linguiça, coca, pastel, guaraná, sanduíche, coca.

Chegando no Cipó, arroz com ovo, padaria, coca, empada, água. Subo a serra, a estrada estava muito bonita, pôr do sol e poucos carros, passei por gambá, caranguejeira, cobra, vaca, cavalo, a noite cai, paro no único bar entre o Cipó e Conceição, uma coca pra comer com a empada amassada da padaria, escuto do Tio, o dono que tava sozinho no lugar, uma história de extraterrestres.

Pego a estrada, 20 minutos depois, um carro ao passar por outro, bate em mim, o carro perdeu o retrovisor com a batida e o controle da direção, eu continuei onde estava, pedalando, olhando pro guidão e pro meu braço, olhava pro carro derrapando na minha frente, e olhava pro meu braço, e não entendia como eu estava em pé ainda, lembrei da história do Tio com os extraterrestres, o carro  não parou, eu xinguei, segui pra Conceição meditativo. Cheguei lá, num trailler pedi 2 X-egg, 2 coca, 2 águas e fui procurar o carro que se chocou comigo e fugiu, mas não achei.

Peguei estrada pro Serro, trecho muito movimentado na madrugada, no mato, geada cortando o rosto, progressão lenta, neblina e pouca visão, só corri na hora que um cachorro correu atrás de mim e a estrada era de terra e com costeletas. Foi tenso. Cheguei às 4h30, entrei na cidade, comi o resto do sanduíche, que agora estava com um gosto de banana que eu não entendi, procurei a rodoviária mas ela tinha mudado de lugar, vi um vigia noturno e ele me falou pra onde ela foi, segui pra rodoviária, desequipei, sentei no banco e vi que o dia estava amanhecendo, na mesma hora chega alguém e abre o cadeado e eu pergunto: que horas tem um ônibus pra BH? Ela responde: Daqui a 30 minutos.

Soltei a bike desmontada no último bagageiro, colei o ticket de passagem no quadro. Mandei a última notícia para o pessoal que me monitorava via whatssap. Me acomodei no ônibus e fui embora pra casa em paz e agradecido pela aventura. Foi massa!

Ricardo Gamba
#GoRadicore!

Ps. O lance do acidente foi muito sério, o carro ao passar por mim bateu no meu guidão, não sei o que aconteceu, eu não me movi, o carro perdeu o retrovisor e saiu rabeando pela estrada e quase capotou, eu fiquei olhando pro guidão sem entender, acredito que foi um livramento de Deus em minha vida, sem menor dúvida. Fiquei tão seguro disso, que continuei a minha missão.

 

Radicore_Serro

Radicore